top of page

Chega de procrastinar uma questão de saúde

O "THE NEWS" traz nesta quinta (23/02/2023) uma notícia alarmante

"Segundo um estudo feito globalmente, mais de 1 em cada 5 crianças e adolescentes de 6 a 18 anos apresentam sinais de transtorno alimentar — incluindo anorexia nervosa, bulimia e compulsão.

Em relação às meninas, a proporção que apresenta algum desses distúrbios sobe para 30%.

A relevância: Os transtornos alimentares estão entre os problemas psiquiátricos que mais ameaçam a vida. Assim, os pesquisadores afirmam que essa alta proporção encontrada exige uma ação urgente para enfrentar a situação"


A situação não é fácil, mas encará-la de frente é a melhor estratégia de resolução - não ache que com o tempo passa - NA VERDADE A TENDENCIA É PIORAR.

Se você tem filhos entre 3 a 14 anos e está enfrentando esta questão, podemos partilhar de um apoio em uma conversa remota.

Não é terapia, mas uma partilha de ideias e ferramentas que vão trazer possibilidades de resolução.

Oferecemos 3 propostas de atuação:

1) UM Encontro remoto de mais ou menos 1 hora, com os pais e/ou cuidadores pela plataforma zoom, sem nenhum custo;

2) Encontros por semana de mais ou menos 1 hora, durante 5 semanas, com pais e/ou cuidadores pela plataforma zoom, com 50% de desconto e facilitado - de R$ 800,00 por R$ 400,00;

3) Um planejamento de atendimento presencial com em média 10 encontros com a criança - processo pelo método KidCoaching que envolve formação, estudo e prática. Investimento: de R$ 1.500,00 por R$ 750,00, facilitado e exclusivo para atendimentos em regiões á 1,5 km de uma estação do Metro de São Paulo.

Informe-se e/ou agende sua ação pelo e-mail alquimia.organizacao@gmail.com ou pelo whatsapp (11)971078017.

As possibilidades 1 e 2, se estendem à qualquer região do Brasil.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Você quer empáticos? Trabalhe o foco!

Isso mesmo! Estudos provam que quando perdemos o foco, perdemos a precepção empática. Olhar e ver o outro, reverberando sentimento, vem da nossa capacidade de empatia emocional: é preciso se conecta

Comments


bottom of page