Cadê seu Foco?

Um mundo rico em informações consome a atenção de quem a recebe. "Eis porque a riqueza da informação cria a pobreza da atenção" - Herbert Simon (premio Nobel da economia)


  • Uma enxurrada de dados todos os dias.

  • Informações dos mais diversos tipos, à qualquer hora, muitas vezes sem nem comprovação e veracidade.

Nos vemos obrigados a sobreviver criando ferramentas perigosas (selecionar e-mails por assuntos, pular mensagens, ler partes, criar sentido sem informações verídicas etc) e, nestes artifícios, acabamos ineficazes e superficiais; sabemos tudo e não conhecemos nada.

Temos ciência que ficar 30 minutos em um museu é diferente de contemplar por 2 horas, mas nos contentamos com 20 minutos...

Estamos em uma "atenção parcial contínua"**, e o preço a pagar? Confusão mental, sobrecarga intelectual, perda de informações relevantes, frustração e consciência de ações com falta de qualidade.

Há um empobrecimento da atenção!

Muitas vezes, não conseguimos distinguir e nos concentrar em coisas sérias, banalizamos as informações e criamos um distanciamento emocional perigoso.

É como se tudo passasse e não houvesse efeito na gente.

Estudos da ciência cognitiva, interligam a concentração, ao poder da atenção seletiva e à capacidade da consciência aberta.

É a atenção que direciona nossa mente para inspecionar e gerenciar operações mentais.

Se perdemos uma parte, descompensamos a outra.

No campo emocional, a autoconsciência promove a autogestão, a empatia é a base da habilidade de se relacionar bem, o foco nos trás a manutenção do princípio ativo, e por aí vai.

Ou seja, estas descompensações, sabotam a qualidade de vida e a competência profissional.

Se estou perdendo o foco continuamente, como ter repertório, planejamento e habilidades para ação, decisão e resolução?

Segundo Daniel Goleman, há uma tríade no foco: "o foco interno, o foco no outro e o foco externo". Uma vida bem vivida precisa que dominemos os três.

Estudos comprovam que a atenção funciona como um músculo; se bem utilizada expande, se pouco utilizada, definha.

Temos necessidade de fazer um qualitativo treinamento.

E qual o caminho?

Para não ser um desorientado (não percebo as minhas necessidades; falta de foco interno), desligado das emoções dos outros (sem foco no outro) e desinformado (sem atenção no mundo que nos rodeia), preciso trabalhar minha concentração, e o melhor jeito é equilibrando minhas ações; existe sim, tempo correto e momento adequado para usar as redes sociais, acessar o celular, manter as comunicações virtuais..

Precisamos trabalhar objetivamente para apurar nosso foco e para acompanhar uma história pelo enredo, concluir uma tarefa que goste ou não, aprender associando às minhas necessidades, do mundo e dos outros e criar com autonomia, conhecimento e convicção.

Então, Foca no próximo post que vamos falar mais sobre


Adriana Meyer

Psicopedagoga e coaching de encorajamento



Para saber mais leia: ** Goleman, Daniel - Foco, A Atenção e seu Papel Fundamental para o sucesso





5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Isso mesmo! Estudos provam que quando perdemos o foco, perdemos a precepção empática. Olhar e ver o outro, reverberando sentimento, vem da nossa capacidade de empatia emocional: é preciso se conecta